Páginas

Sobre um segundo filho...

|
Há algum tempo venho pensando em escrever sobre esse assunto, mas, sempre tive medo de não me fazer clara o suficiente ou de ser mal interpretada. Entretanto, acho que por manter um espaço em que tento jogar o mais limpo possível comigo mesma e com quem lê o blog, não é justo que algo que me vem sendo questionado tão frequentemente pelas pessoas, fique de fora. Tentarei ser o mais branda possível e entendam: as decisões são sempre passíveis de revisão. O que penso hoje, pode não ser o que pensarei amanhã. Vamos lá:
Ultimamente, venho sendo assombrada pelo segundo filho. Onde quer que eu vá, sempre vem a pergunta "quando você dará um(a) irmãozinho(a) para o Daniel?", ao saberem que ele já está com 2 anos e meio completos. Posso dizer, usando a expressão do momento, que tenho sofrido bullying. Tento me desfazer o mais rapidamente da pergunta, mas, não tem jeito...vem uma avalanche de explicações a favor de eu engravidar o mais rápido possível. E eu tenho preguiça de dar todas as razões que me levam a não optar pelo segundo filho. Porém, utilizarei o meu espaço para dizer que, por enquanto, ou, por toda a vida, ainda não sei, eu não quero o segundo filho; e a primeira razão é muito simples: eu não o desejo. Não mesmo. Estou muito bem realizada na maternidade. Não preciso de uma prole para conhecer o que é o amor de mãe. Não me sinto vazia e nem faltando um pedaço. E essa historia de que é bom ter um segundo filho para dar uma companhia ao Daniel é, na minha humilde visão, absurda. Se eu vier a ter outro filho, será porque eu o quero, eu o desejo, eu sonho com ele. Filho não é tapa buraco de nada.
Outro motivo que me leva a pensar com muito cuidado sobre a chegada de um outro bebê é o tempo (o vilão da vida moderna). Para mim, filho é sinônimo de dedicação, é renúncia, é desapego. Eu optei por parar por 1 ano e 5 meses até voltar a trabalhar, e, ainda assim, voltei somente por meio período. Eu não quero ter que parar de novo, bem como não quero ter que deixar um bebê numa creche ou aos cuidados de terceiros o dia todo. Se estou priorizando, neste momento, um pedaço do meu dia ao trabalho e não pretendo abrir mão disso (pelo menos por hora), não vejo porque colocar outro ser humano no mundo se não for para eu me dedicar por completo a ele. Vejam bem, isso é uma opinião muitíssimo pessoal. Eu entraria em total crise de culpa, caso não pudesse ser o mesmo que fui para o Daniel. Não seria justo com alguém que sequer pediu para nascer. 
Corroborando com o que penso sobre maternidade, a capa da revista Veja veio falar sobre mulheres que priorizaram a carreira e não querem filhos. Eu achei de uma sensatez  e serenidade invejáveis. Porque, definitivamente, a maternidade não é para todas. E se é para se ter um filho de qualquer jeito, eu me pergunto: pra quê, afinal?! Ora, é claro que não se precisa voltar a ser Amélia (que era mulher de verdade, será?!). Mas, ter 2, 3, 4 filhos e continuar a ter uma vida profissional super ativa, certamente não permite que essa mãe consiga ser tão presente assim. E tudo bem quem assim escolhe viver e se sente bem com isso. Afinal, cada um sabe onde o calo aperta. Porém,  EU NÃO CONSIGO! Não é pra mim essa prática. Até porque minha mãe abdicou 10 anos da vida dela para voltar ao mercado de trabalho. Minha avó morava conosco. Ou seja, a minha realidade era de mãe e avó totalmente presentes, com a figura do pai provedor. Eu desconheço a ausência. Eu não sei o que é aquele pedido de "vai trabalhar não, mãe!" que eu já tive que ouvir do meu filho e me doeu profundamente. E, talvez seja um sentimento egoísta para alguns, mas, eu não estou a fim de abrir mão do meu tempo e de tudo o que voltei a fazer agora que Dan está começando a me dar espaço. Estou feliz, serena, plena, e, por tudo isso, não vejo qualquer motivo que me leve a engravidar. Se daqui um tempo me bater uma imensa vontade de recomeçar, de renunciar e de me dedicar a um novo e lindo amor, tenham certeza que eu o farei muito feliz. Por ora, o Daniel me basta!



36 comentários:

  1. Adorei a sua franqueza, My. Que as pessoas se conformem que a vontade delas não é, necessariamente, a das outras. Bj

    ResponderExcluir
  2. Myriam, respeito completamente sua opinião, seu desejo e suas escolhas. Sabe que logo que tive Felipe pensei em ficar somente com ele... somente com um único filho. Depois começou a vontade de ter dois, somente dois e hoje estou com três. Viu só! Veio o desejo de ter mais filhos, pois amei ser mãe, amo ser mãe e me dedicar a eles. Ter um bebê em casa sempre me fez muito bem. Marido e eu fomos tendo desejo de mais e mais...rs rs rs
    Agora, também penso como você, pois exige dedicação, atenção, abdicar de um tanto, ter tempo e dar muito, muito amor! Não é a toa que tenho inúmeras preocupações e cobranças.
    Também encerro por aqui... três está bom demais!
    Por isso deixe as coisas acontecerem e as pessoas que respeitem seu momento!
    Sabe o que vc faz? Curte a filharada das amigas rs rs rs
    Um beijo grande... Ahhh viu só, com três demoro mais para visitar o blog daszamigas! Demoro, mas apareço!
    Ahhhh quase me esquecendo... adorei a foto!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celi, vc é alguém que muito admiro! De verdade!! Adoro o quanto vc é dedicado aos seus, percebe-os tão bem, sabe o que cada um tá passando em cada fase...lindo mesmo de acompanhar!! E é por isso que eu acho que se não for pra ser algo parecido com o que acompanho no seu blog e no de outras mães que se doaram pra contituir uma grande familia, e tão não tem razão de ser. Dia desses, conversando com uma pediatra, ela me disse que tem mãe que quando perguntada sobre como está o cocô do filho, a mãe olha pra babá com cara de interrogação. Entende o que quero dizer? E eu vejo muuuito essa realidade! Muito mais comum do que eu imaginava antes de ser mãe. E eu acho que maternidade tem que ser consciente. Se for pra ser no "deixa a vida me levar", eu não apoio. Mais uma vez, parabéns pela super mãe que vc é! Adoro mesmo!!! Mil beijos!!!

      Excluir
  3. Concordo com você em tudo o que vc falou. Pra mim, a minha filha será também filha única pelos mesmos motivos que você escreveu. Sabe, eu penso mais ou menos assim: eu amo ser mãe, é algo fenomenal, do outro mundo,só pode, porque é algo que nos tira a razão- quase literalmente. Mas gosto tbm de trabalhar, de ler, escrever, assistir filmes, séries, correr, etc. E, pelo menos ao meu ver, quanto mais filhos, mas estas coisas que gosto vão se perdendo.
    Bj
    Ps: pedi pra vc me adicionar no face...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, Josi!! E já mais que adicionada!! Bjssss

      Excluir
  4. Perfeito, Myriam. Logo que Davi nasceu, minha ideia era ter o 2º filho logo, quando ele fizesse 1 ano tentaria engravidar. Ideia que hoje não existe mais. Ainda quero ter um 2º filho, mas é impossivel na minha vida hoje, ter que cuidar de mais alguém. Mal tô dando conta de um. 2º filho adiado para sei lá quando...Normalmente, as pessoas nos fazem as perguntas mas só aceitam as suas próprias respostas. E vc definiu muito bem, dá preguiça de argumentar. Um dos seus melhores textos, na minha opinião!!! Gosto muito de como vc "exerce" a maternidade, ou pelo menos como se descreve aqui. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, muito obrigada, Rafa! Tentei ser completamente verdadeira! Acho que consegui me fazer clara sem ofender ninguém. Adoro suas visitas! Bjs e bom fim de semana!

      Excluir
  5. Isso se chama responsabilidade!Parabéns! Amo ter irmãos, adoro a ideia de que meus filhos tem um ao outro (lógico são gêmeos e não precisaram da minha decisão), mas se tivesse tido apenas um filho, talvez pensasse como você e teria ficado por isso. Tem dias que penso na vontade enorme de ter outro, mas logo passa. Não porque não curto, bem pelo contrário, curto muito, mas porque existem inúmeras outras razões que precisam ser avaliadas. "não vejo porque colocar outro ser humano no mundo se não for para eu me dedicar por completo a ele". Precisa explicar mais? Acho que não! Um grande beijo! Gisa Hangai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras, Gisa!! É que hoje temos tantas escolhas que é dificil mesmo abdicar de tantas possibilidades em prol da maternidade exclusiva. Beijos e volte sempre!

      Excluir
  6. Myriam, parabéns! Parabéns!
    Vc sabe que eu sou partidária de irmãos e casa cheia, até pq eu SONHO com mais filhos, gostaria de ter três (believe me), com intervalos de 3 anos entre eles.... mas enfim, nem tive o segundo ainda...

    O que eu eu quero dizer é: parabéns por assumir sua escolha, por ser sincera, por ser vc! Ninguém é obrigado a querer ter filhos, nem o primeiro, nem o segundo ou o terceiro. Só pq é comum que se tenha 2 filhos, não é necessário, não. Assim como acho que as mulheres que não querem filhos não devem tê-los, o casal que não deseja o segundo, não deve ter tbm. Não por mal, em absoluto, mas por isso tudo que vc falou e que conhecemos bem: exige dedicação, exige entrega, dinheiro, tempo livre, paciência, exige o nosso QUERER acima de tudo. E sem vontade, não rola.
    Não mesmo.

    Vc está certíssima em eleger suas prioridades, pois vc é mulher antes de ser mãe e se trabalhar te completa como MYRIAM SCOTTI, então é muito justo que vc trabalhe sim! não vai abrir mão de tudo o que vc conquistou pq vc vai ter outro baby. Aposto que vc o faria com todo amor do mundo, mas se não é o desejo do coração, não faça. E ponto.
    Só vc sabe aonde o seu calo aperta.

    E estou contigo, faça o que o seu coração mandar.
    Se um dia mudar essa ideia, vc terá o outro baby - mais disposta, aberta à ideia, feliz por engravidar novamente.

    Um grande beijo!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que vc está muito a fim de ter a casa cheia e eu acho o máximo! Eu mesma, antes de casar, sempre disse que teria 3 filhotes!!! Hahahahahahaha...mas, prefiro pensar melhor, me dar mais tempo, porque se assim não fosse, eu não seria uma mãe feliz! Acredito que cada família tem suas prioridades. Algumas querem todos os filhos logo de uma vez, outras querem mais tempo e outras que nem pensam no assunto. O importante é que todas façam suas escolhas de forma consciente e felizes, senão pra quê sacrificar um serzinho tão indefeso não é mesmo?? Obrigada pelas palavras de apoio! E, sem dúvida, se daqui um tempo meu coração estiver aberto para a chegada de um novo e intenso amor, eu não hesitarei!! BeiJos!!

      Excluir
  7. Oi Myriam,
    Adorei o que vc escreveu...reflete a "tal da cobrança" da sociedade e é aquela velha história: se namora há muito tempo, logo cobram o casamento...se casam, cobram logo filhos...se tem um filho, cobram por outro e o detalhe é que quando tem muitos filhos, logo criticam "mas tudo isto?!" rsrsrs vai entender...
    Bom, mas que bom que vc está firme em sua decisão e isso é o que importa. Como disse a Dani, no comentário acima, "só vc sabe aonde o calo aperta" e é verdade mesmo, cada um sabe de seus desejos e necessidades.
    Por aqui, sempre desejei ter o segundo filho (até naquelas brincadeiras de quando eu era adolescente rsrsrs), acredito que tão logo chegará o momento, mas se ainda não o tivemos é porque avaliamos tanta coisa, afinal não basta ter e isto envolve muita coisa: tempo, dedicação, condição financeira, maturidade nossa e de Milena para entender sobre a chegada de um(a) irmãozinho(a) e muitas outras coisas.
    Parabéns pelo texto!
    Beijos,
    Larissa Andrade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Larissa...a sociedade às vezes é cruel...e a gente fica querendo agradar a todos, mas, tem uma hora que é preciso agradar a si mesmo! E se nesse momento estou pensando em mim, pode ser que daqui um tempo eu mude de ideia. Mas será no MEU tempo e não no tempo que os outros pensam que é o certo...muita coisa mesmo tem que ser avaliada. Já não dá pra ser como antigamente, que as pessoas não tinham muitas escolhas...enfim, só defendo o respeito à intimidade. Cada familia sabe o que é melhor para si! Beijos, beijos!!

      Excluir
  8. Linda a foto do final e concordo com vc. Eu tive a segunda por que 3 razões: 1. Meu marido queria um menino e 2. Achava triste a Isa não ter uma companhia, eu tenho um irmão e lembrava com saudades de nossas brincadeiras em dias de chuva e por fim 3. Por que todo mundo cobrava.
    Hoje não teria tido o segundo, não por essas razões... Adorei seu post, me identifiquei :)
    Bjus

    Rafa
    Rafaelando.com

    ResponderExcluir
  9. Adorei conhecer seu blog, demais!!! Beijos www.instamamae.com

    ResponderExcluir
  10. Myriam, no momento eu penso exatamente como você em relação ao segundo filho, e sou igualmente bombardeada por questionamentos e teorias sobre a importância do segundo filho... aff
    Ultimamente nem tento mais me explicar...
    Lindíssima a foto do post!
    um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dificil, né, Lauri!! Mas...a gente vai levando!! Kkkkkkkkkkkkkk
      Beijosss

      Excluir
  11. Olá Myriam!

    Eu e meu marido pensamos assim. Não vejo o menor sentido em ter um filho para, depois de 4 meses, colocá-lo numa creche em tempo integral e depois ainda sustentar o falso discurso feminista: eu dou conta! Não dá! Neste caso, quem está dando conta do filho é a tia da creche e não a mãe.
    Também abri mão da minha carreira profissional para me dedicar à minha filha e ainda estou na minha "licença maternidade". Aliás, foi assim que virei blogueira. Eu precisava produzir alguma coisa. Não dá para ficar com a mente parada.
    A propósito, amei seu blog. É lindo! Gostaria de lhe convidar para visitar o meu. Depois dá uma passadinha por lá.
    Bjo!
    http://cademeutempo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sílvia!! Que bom que vc gostou do blog! Volte sempre! Irei conhecer seu cantinho também. Bjinhos!!!

      Excluir
  12. Post mt bom! Gostei do seu cantinho!
    Bj, Gabi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Gabi! Espero que volte mais vezes! Bjs!

      Excluir
  13. Oi Myriam adorei o seu post e blog.
    Realmente a maneira que você colocou sua opinião foi super sincera e invejável. Ainda não tive filhos e não pensei muito no assunto, mas com certeza quando chegar a hora irei analisar cada passo.
    É muita responsabilidade colocar uma vida no mundo sem pensar nas consequências que isso traz, seja para si mesmo ou para os outros..

    bjs Má
    Te espero - www.2betrend.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Máa!! Obrigada pela visita e pelas palavras! Irei conhecer seu espaço, com certeza!! Bjinhos e volte sempre!!

      Excluir
  14. Ou Myriam! Querida, eu amo vir aqui. Nem deveria ser necessário darmos explicações sobre nossas decisões, não é mesmo? A cobrança das pessoas é algo que me tira do sério também. Acho que temos que cuidar da nossa felicidade e fazer escolhas segundo o nosso coração. E você está escolhendo de forma super consciente ter somente um filho. E mesmo que um dia você mude de opinião, será por você e não pelos outros. A vida é sua e a responsabilidade, as olheiras, os gastos e o cansaço também serão! rs Parabéns pelo texto! bjs Camila Vaz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila!!! Que bom vê-la por aqui!!! Obrigada!!! Bjão!!

      Excluir
  15. Myriammm, que post hein, menina!!! Imagino que deva ter pensado mil vezes antes de publicar. Esta blogosfera materna é um perigo. rsrsrsrs ;) Eu adorei sua colocação, e invejei a sua segurança! Mesmo que no futuro você mude de ideia, é muito bom o fato de você saber exatamente o que vc quer AGORA. Eu fico aqui todos os dias me perguntando se quero ou não quero o segundo filho, se tenho ou não tenho... Sendo que, SE eu realmente quiser, não será agora. Ou seja, sofro por antecipação com essa decisão. E aí vejo seu post, tão decidido, tão bem resolvido. ;) Adorei!!! Faz todo o sentido tudo o que vc falou, não porque são coisas coerentes, mas porque vc está respeitando O QUE VC QUER. Às vezes a gente é levado pela sociedade sem nem perceber. E vc tratou de pôr as rédeas na sua vida. :) Só te admiro mais!! Beijos!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julia, esse post vai ficar pra historia porque tive que encher de muuuita coragem para postá-lo!! Mas valeu muito à pena porque as pessoas, pelos comentários acima, incluindo o seu, captaram muito bem o que eu queria dizer e isso me deixou muito feliz! Não é fácil tomar as rédeas da vida e gritar pro mundo o que vc quer, ainda mais quando tem um monte de gente querendo te dizer como viver...foram alguns quilos a menos na costa!! E como vc mesma escreveu, o importante é a decisão de AGORA! O depois a gente deixa pra...DEPOIS!! Hahahahahahaha
      Beijos, querida!!! Obrigada!!!

      Excluir
  16. Oi Myriam, adoro ler o seu blog!!
    Esse post foi bem especial. Admiro muito sua coragem e sua sinceridade.
    Compartilho do seu pensamento, também não desejo ter um segundo filho, estou satisfeita e muito realizada apenas com um.
    Te entendo perfeitamento e como te apoio.
    Nossos filhos estudam na mesma creche.
    Um beijo



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata!! Que bom saber que vc acompanha o blog!! Seu bb estuda na mesma sala que o meu?? Volte sempre!! Bjinhos!!!

      Excluir
  17. Não, o Dudu é do berçário. Adoro ler seu blog, ele me passa segurança acerca de questões que só quem é mãe entende. Meu bebê tem 1 ano e 1 mês e depois que ele nasceu minha vida virou uma loucura, esqueci de mim e ele virou simplesmente a minha vida. Esse ano faço 7 anos de casada e ele foi planejadissimo e ao mesmo tempo uma surpresa, pois minha gravidez era de alto risco, e eu sabia disso antes mesmo de engravidar (devido a um problema de saúde) mas não tinha noção do que é ser mãe, desse amor que nos consome, da alegria que um sorriso banguela pode nos proporcionar e lógico de todas as duvidas, incertezas e culpa que a maternidade nos traz.
    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendo perfeitamente! A blogosfera materna traz a tranquilidade de sabermos que não sentimos tudo isso sozinhas!! Filho é maravilhoso mas nos desestrutura emocional e fisicamente. E só o tempo mesmo pra nos fazer compreender e passar a encarar a vida de forma mais leve! Garanto que daqui a pouco vc estará menos ansiosa, aproveitando mais a maternidade, sem taaanto peso como a gente tende a fazer de inicio!! Bjs pra vc!!

      Excluir
  18. Oi, concordo com vc... Quando tive a minha filha me senti completa, a pessoa mais feliz do mundo... Voltei a trabalhar quando ela tinha 5 meses, mas sempre aparecia na creche de surpresa pra vê-la. Quando alguem me perguntava quando teria outro filho, respondia q NUNCA... Realmente não nasci para ter dois filhos... Nem gosto tanto assim de criança... Gosto da minha filha... Não me interprete mal ,só não sou dessas pessoas q quando veem um bb/criança quer pegar no colo, brincar e tc. ... Mas, o destino.me pregou uma peça e quando a minha filha estava com 2 anos e 5 meses descobri q estava gravida... Foi o pior dia da minha vida ate hoje... Chorei tanto, pedi tanto pra q nao fosse verdade... Mas, nada adiantou... Hoje tenho o segundo filho e nao gosto no q a minha vida se transformou depois da chegada dele.... Todo dia desejo esta dormindo e acordar ... Entao, se vc ou qualquer outra nao quiser tem o segundo filho, nao tenha... Hoje sei q é melhor sentir remorso por alguma coisa ou não... do que fazer o q a sociedade acha correto e colocar uma pessoa no mundo que vc não desejou...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então...acredito que jamais você quis sentir o que vc sente e é exatamente por esse sentimento que não quero ter que passar..se eu quiser ter outro filho, será para ser algo maravilhoso e não um peso. Acho que maternidade não é natural, inato, sabe? Nem todo mundo tem esse dom. Se eu vier a ter um segundo filho que seja por escolha própria e não pra ceder às pressões.
      Obrigada por compartilhar aqui. Deixo meu abraço pra vc!!

      Excluir

Palpite à vontade

Layout por Xiricutico.blogspot.com para uso exclusivo de Myriam. Proibida a cópia!
Tecnologia Blogger