Páginas

Epifania

|
O tempo é algo mesmo fantástico. Só ele é capaz de fazer você entender certas coisas, superar outras, seguir em frente, mudar, sentir-se melhor que antes, amadurecer, conhecer a si próprio, redescobrir-se, saber melhor o que se quer para o futuro, enfim, o tempo é muito sábio e é bom que a gente aprenda logo isso. A maternidade aconteceu um pouco às avessas para mim, conforme já tanto falei em posts anteriores. Hoje, sou tão diferente de dois anos atrás que eu poderia me resumir numa frase que li dia desses: "Desculpe-me, não reconheci você: eu mudei muito" (Oscar Wilde). É que fui invadida por aquele amor inigualável que tanto se ouve falar chamado amor de mãe, que eu renasci de dentro para fora ao longo desse tempo. Por meio da gravidez, é nos dada a oportunidade de entender as transformações que a maternidade nos causa. Ocorre em nosso organismo uma avalanche de hormônios e mudanças externas, cuja finalidade, além de guardar nosso bem mais precioso até que ele esteja pronto, é a de preparar a mulher para o que está por vir. Parece que a natureza quis dizer: "olha pra você! Tá vendo? Você não é mais a mesma! Tá vendo esse barrigão aí? Pois é! Tudo será diferente daqui para frente!" Acontece que eu não entendi esse recado...as transformações externas que meu corpo sofreu não foram suficientes para que a mudança interna acontecesse. Isso só foi possível com o TEMPO! E daí que esse tempo me fez amar mais e mais e mais a cada dia, até que, finalmente, BUM! A epifania que eu tanto buscava aconteceu. A última peça que faltava para eu fazer a compreensão do todo completou-se, e com ela, veio também a tal simbiose que eu sentia em relação a minha mãe (a qual já falei por aqui). O encontro entre mim e Daniel aconteceu e a gente não consegue mais se desgrudar. Quando ele está comigo, ele não quer estar com mais ninguém e isso é tão verdade que ele olha para quem estiver perto (às vezes, incluindo o pai, coitado!) e diz "tchau", numa tentativa de fazer a pessoa entender que ela ali está sobrando! Ele quer assistir os desenhos no colinho da mamãe e tomar o gagau no colinho da mamãe e sair pra passear com a mamãe. Esse elo tem me deixado numa certa crise porque ao mesmo tempo que eu também quero estar sempre disponível, eu tenho as minhas obrigações e necessidades, que não posso adiar para sempre. Mas aí eu penso que essa fase passa tão rápido e logo ele vai estar ME dando tchau porque já vai ter seus programas preferidos e festinhas etc. Ó, dúvida cruel. E então é melhor lembrar do tal equilíbrio que também já foi tema deste blog e deixar filho e mãe satisfeitos, sem querer um sufocar ao outro, porque amar também inclui liberdade e liberdade lembra espaço, o qual se faz necessário em todas as relações, inclusive na de pais e filhos. É, minha gente...o aprendizado continua e não há de ter fim...


6 comentários:

  1. Realmente a busca entre o equilíbrio não tem fim... É uma busca constante e sempre temos a sensação que a balança está pendendo mais para um lado do que para o outro, é difícil equilibrar a nossa independência com a necessidade que sentimos de estar agarrada com nossos filhos.
    Um longo aprendizado ;)
    Bjus

    Rafa
    www.rafaelando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é uma dificuldade de todas as mães...mas a gente aprende! Bjos!!!

      Excluir
  2. Que lindo, My! <3

    Ando sonhando com isso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua hora vai chegar, K!!! Tudo a seu tempo...beijos!

      Excluir
  3. Ai, Myriam, esse dilema é brabo, hein!! :) Tentei me colocar no seu lugar porque o Luquinha tem apenas 9 meses ainda, mas já é um pouco assim, de querer meu colo acima de todos. No início eu me sentia culpada (hahahaha) porque não queria que meu filho fosse assim, queria que ele fosse dado, fosse do mundo, pensava eu... Só que com o tempo percebi que era besteira, que eu tinha mais é que aproveitar esse chamego para abraçar muito, apertar muito, tirar todas as casquinhas possíveis! Quando ele começou a engatinhar, o colo acabou virando um "plus". Ele ainda gosta, mas tb ADORA ficar no chão! No seu caso, acho que vc tem que aproveitar, sim! Não há mal nenhum vc adorar o fato dele ser tão apaixonado por vc! E quando vc quiser o SEU tempo, é só sair de perto. Ele vai sentir sua falta, mas vai sobreviver. hehehe =) E assim o pai e as outras pessoas têm a chance de tirar uma casquinha tb!! kkk Beijos para vcs!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Júlia!!!! Tava com saudade dos seus comentários!! Vc me deu um consolo!! rsrsrsrsrs...beijão pra vc e pro seu Luquinha!! Aproveita e dá muito colo porque o meu só quer correrrrr!!!

      Excluir

Palpite à vontade

Layout por Xiricutico.blogspot.com para uso exclusivo de Myriam. Proibida a cópia!
Tecnologia Blogger