Páginas

Um pé na realidade?

|
A verdade é que ninguém se prepara para ser mãe. Simplesmente se é! Quando o bebê nasce, não adianta pensar que não vai dar conta, porque, de um jeito ou de outro, as coisas vão se encaixando. Quando meu bebê nasceu, mais precisamente, quando ouvi o primeiro chorinho, foi uma emoção sem igual. Mas, acreditem, quando ele foi trazido para o quarto, ainda dormindo, e colocado dentro daquele bercinho, confesso que pensei: esse negocinho aí é meu mesmo é? Nesse momento, eu não me senti mãe e toda aquele conversa de amor sem igual foi por água abaixo. Surtei...surtei mesmo...pensei que não sabia o que eu iria fazer com aquele serzinho...pensei que queria minha vida de antes, pensei por que cargas d´água eu havia inventado de ser mãe e mais um bocado de besteira. É claro que pensei também que ou estava louca mesmo ou eu era um monstro. Mas, a verdade é que eu estava apavorada!!! Eu tive 9 meses para me acostumar com a nova realidade que iria enfrentar, mas, eu só conseguia pensar na parte boa: eu seria mãe. Eu esqueci de me preparar (se é que há preparação) para a realidade que é ser mãe. Gente, eu descobri que bebê não tem devolução!!! Era meu, e, eu tinha que alimentar, dar banho, trocar fralda etc. E eu? Quando eu digo e eu, é no sentido de saber onde estava o tempo para mim?? Quanta ingenuidade...não existia mais o EU e sim o NÓS. E, para ser bem sincera, só existia ELE...porque das 24h do dia, 20h eram para ele e as 4h eu tentava dormir. O que eu quero dizer com o meu post é que nem todas as mulheres do mundo são unânimes em pensar que a maternidade é algo tranquilo, divino...muitas mulheres tentam dizer que não há nada de ruim, mas, a grande verdade é que todas padecem, cansam, choram, desesperam-se, maldizem-se e eu quero deixar claro que isso é NORMAL!!! Não significa em hipótese alguma que você não ame seu filho! Significa que você é HUMANA e não super mulher! Título esse que abomino e grito aos 4 ventos que não sou! Hoje, há uma condenação para a mulher que não consegue dar conta de tudo (casa, filho, marido, ela mesma e trabalho). Eu protesto! Meu dia tem só 24h e eu sou somente UMA! E exijo o direito de ser uma coisa de cada vez. Cada ser humano precisa de seu próprio tempo para se acostumar às mudanças em sua vida. Para mim, a maternidade, de início foi perturbadora, mas, não existe nada, nada mesmo, que me faça mais feliz do que olhar para meu filho e ouvi-lo me chamar de mamãe da forma mais doce e irresistível que eu conheço!


3 comentários:

  1. ANDREZZA GUIMARAES11 de agosto de 2012 21:56

    Myriam isso não aconteceu só com vc, comigo foi bem parecido amei ainda mais o meu filho no instante em que escutei o primeiro chorinho dele e quando senti sua pele na minha com meu primeiro beijo. Não queria ficar longe dele um minuto, mas quando fui pra casa é que a ficha caiu nossa sou MÃE e que me dei conta de todas as responsabilidades!!!Fiquei desesperada sim com medo de não dá conta, de não conseguir ser uma boa mãe,chorei dia e noite!!!Mas me surpreendi comigo mesma cuido dele até hj completamente sozinha sem baba e sem empregada em casa e estou dando conta de tudo rsrsrs quem me conhece ficou super surpresa com a força e a maturidade que surgiu em mim . Mas acho que isso é ser MÃE é fazer o possivel para ser o melhor para o seu filho, mas quando preciso eu peço ajuda porque sei que não sou uma super mulher!! Ainda bem que tenho uma mãe e um pai super presente, um marido maravilhoso e uma titia coruja sem eles não sei o que seria de mim rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andrezza! Que bom vê-la por aqui!! Faz tanto tempo!! A gente sempre dá um jeito de superar as expectativas não é? Quantos meses tem seu bebê?

      Excluir
  2. ANDREZZA GUIMARAES27 de agosto de 2012 14:32

    Oi Myriam pois é az tempo mesmo . Hj o Pedrinho esta com 5 meses e é o docinho da minha vida!!! Cada dia que passa estou + apaixonada por ele rsrsrs

    ResponderExcluir

Palpite à vontade

Layout por Xiricutico.blogspot.com para uso exclusivo de Myriam. Proibida a cópia!
Tecnologia Blogger