Páginas

Alguns trechos de "A maternidade e o encontro com a própria sombra" (Laura Gutman)

|
Como o livro mexeu muito comigo, resolvi transcrever alguns trechos que achei muito bacanas:

"O bebê é sempre um mestre graças a seu corpo pequeno, que lhe permite maior expansão no campo sensível. Por isso consegue manifestar todas as nossas emoções, sobretudo as que ocultamos de nós mesmas. Aquelas que não são apresentáveis socialmente. As que desejaríamos esquecer. As que pertencem ao passado."

"As crianças e os bebês são seres fusionais, ou seja, que, para serem, precisam entrar em fusão emocional com os outros. Este com o outro é um caminho relativamente longo de construção psíquica em direção ao "eu sou"."

"As mulheres puérperas têm a sensação de enlouquecer, de perder todos os espaços de identificação ou de referência conhecidos; os ruídos são imensos, a vontade de chorar é constante, tudo é incômodo, acreditam ter perdido a capacidade intelectual, racional. Não estão em condições de tomar decisões a respeito da vida doméstica. Vivem como se estivessem fora do mundo; vivem, exatamente, dentro do mundo-bebê."

"As mães costumam ser acusadas de "superprotetoras" e seu papel maternalé desmerecido quando têm a coragem de manter o bebê sobre seu corpo."

"As mulheres que trabalham fora de casa cansadas, voltam com vontade de encontrar as crianças, mas também com tarefas a fazer. As que não trabalham fora entram em uma atividade doméstica interminável e, embora a sensação de ter lidado o dia inteiro com as crianças, na realidade não se permitiram parar, olhá-las, observá-las e fazê-las saber que há um tempo e um espaço exclusivo para elas. Não é indispensável brincar com a criança. É indispensável olhá-la."

"Aquilo que os adultos consideram falta de respeito lhes parece natural quando se trata de crianças."

"Há uma grande confusão acerca do papel dos pais nessa fase de perda de identidade. Não é fundamental que um pai troque fraldas ou ponha o bebê para dormir, embora sejam atitudes sempre bem recebidas pela mãe esgotada. No entanto, quando um pai que não tem condições de sustentar emocionalmente a mulher se ocupa de trocar fraldas, o desequilibrio familiar é imenso. Qualquer mulher pode trocar as fraldas de seu bebê, mas esta ou qualquer outra tarefa se torna incomensurável quando não conta com o apoio emocional suficiente."

"O homem se aproxima de seu filho pequeno durante um processo que é sustentado pelo amor que sente pela mulher que se transformou em mãe da criança. Acontece de fora para dentro. Por sua vez, as mães fazem o processo inverso: de dentro para fora, da fusão à separação, tanto física quanto espiritual."

Se eu citasse mais, transcreveria o livro inteiro. Deixo aqui alguns dos trechos que me fizeram tanto refletir e esmiuçar a minha maternagem.


19 comentários:

  1. "O homem se aproxima de seu filho pequeno durante um processo que é sustentado pelo amor que sente pela mulher que se transformou em mãe da criança. Acontece de fora para dentro. Por sua vez, as mães fazem o processo inverso: de dentro para fora, da fusão à separação, tanto física quanto espiritual." = Olha aí o equilíbrio, hein :D bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aprendi que equilibrio é a palavra de ordem em tudo o que se refere à maternidade...

      Excluir
  2. ai, este livro é bom demais.... nossa senhora.... estou criando coragem para retomá-lo de onde parei (na amamentação, claro, a minha amamentação failed totalmente).

    Beijos, adorei!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai, Dani!! Tenho certeza que trará muitas coisas boas pra vc!!

      Excluir
  3. Fiquei doida pra ler!

    Em mim, a maternidade levantou questões profundas. Despertou em mim uma necessidade imensa por auto-conhecimento e transformação.

    Bejos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Pati!! A maternidade é uma força transformadora única!! Beijinhos

      Excluir
    2. olá Myriam, o meu nome é João pereira, a minha senhora vai ser mãe e eu pai lol, procuramos este livro, poderia me dar onde compra lo em Portugal, ou se existe algum modo de passagem de mão em mão com este livro, o meu email é joaodive01@gmail.com... a minha esposa adorava seguir se por este livro, peço desculpa a todas as mães por escrever no vosso blog contudo felicidades para todas mães do mundo

      Excluir
  4. Myriam esse livro faz nós pensarmos sobre a maternidade, o equilíbrio. Interessante vc já está quase me convencendo a comprar para ler :)

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É tudo de bom mesmo este livro! Eu li mais ou menos, rs! É que eu li uma versão em pdf que uma amiga me passou por email, mas tem um monte de erro de português e talvez seja mais curto que o original. Mas ainda assim adorei! Me fez pensar um monte de coisas ainda na gravidez. Medo a gente sempre tem do tal desconhecido, mas agora parece que sei um pouco mais o que passarei em breve. Essas partes que você transcreveu são mesmo bem legais!
    Beijos!
    Rita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que vc leu, Rita!! Gostaria de ter lido antes!! Mas ainda assim valeu muito a pena. Bjão!

      Excluir
  6. Myriam, querida! Há tanto tempo não passo por aqui. E sempre que venho, sou super bem recebida com estes posts! Gostei muito sobre ser indispensável olhar a criança. É um cuidado que eu tento ter desde quando Lucas era bem pequeno e eu me vi preocupada com tantas coisas, que não estava prestando atenção nele! A gente nem percebe, não é mesmo? Um beijo grande!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julia, sumida!!! Rsrsrsrsrsrsrs
      Que bom vê-la aqui!! O olhar é mesmo indispensável!! Bjsss

      Excluir
  7. amiga amei
    os trechos são ótimos
    realmente maravilhoso

    linda noite bjs

    Ser Mamãe Pela Segunda Vez
    Google+Nanda

    ResponderExcluir
  8. alguem poderia de me passar o livro Laura Gutman - A maternidade e o encontro com a própria sombra, pode ser ebook, audiobook, em espanhol qualquer coisa estou louca para ler flalongobardi@hotmail.com obrigada.

    ResponderExcluir
  9. É incrível como alguns de nós cremos que na nossa experiência maternal faremos diferente do que fizeram conosco. Ledo engano. As chances de repetirmos os erros que cometeram em nós é muito grande, tendo em vista que o que foi feito, dito e até mesmo não feito ou dito, é o que temos em nossa memória, e isso é o que repetiremos. Trechos desse livro me fez reafirmar a necessidade que tinha de um tratamento antes da maternidade, e agora que já aconteceu essa necessidade é ainda maior.

    ResponderExcluir
  10. Mamis e papis interessados! Acabei de encontrar o livro no site "Estante Virtual", que vende livros usados, novos e semi-novos. Vale a pena conferir...

    ResponderExcluir

Palpite à vontade

Layout por Xiricutico.blogspot.com para uso exclusivo de Myriam. Proibida a cópia!
Tecnologia Blogger